Vacina contra a gripe

A vacina quadrivalente contra a gripe protege contra as infecções causadas pelo vírus influenza. Como ele está sempre em mutação e há diversos tipos, cada ano são produzidas vacinas contra os principais tipos circulantes tanto no Hemisfério Sul quanto no Norte, e a composição é definida pela Organização Mundial da Saúde.

Fazem parte do grupo de risco para complicações de infecção da Influenza: crianças menores de 5 anos, gestantes, maiores de 60 anos e paciente com co-morbidades (como doenças respiratórias crônicas, doenças cardíacas crônicas, doença renal crônica, imunossupressão, e outros). Devido à curta duração de sua proteção - aproximadamente 1 ano - e à possibilidade de mudança da composição, deve-se tomar a vacina da gripe anualmente.

Devido à curta duração de sua proteção - aproximadamente 1 ano - e à possibilidade de mudança da composição, deve-se tomar a vacina contra a gripe anualmente.


Adultos e crianças a partir de 9 anos de idade: uma dose anual;
Crianças de 3 a 8 anos: duas doses, com um intervalo de um mês entre as doses, no primeiro ano da vacinação. E uma dose anual nos anos subsequentes.
Crianças abaixo de 3 anos de idade: devem receber a vacina em dosagem pediátrica, sendo duas doses, com intervalo de um mês, no primeiro ano da vacinação, e uma dose anual nos anos subsequentes. 

 

Gripe

A gripe é uma doença extremamente contagiosa que acomete as vias respiratórias e é transmitida pelo vírus influenza. Há diversos tipos de vírus influenza, que se alteram frequentemente, gerando novos tipos e subtipos.

Os quadros mais comuns de gripe tem curta duração mas, devido à sua característica de fácil disseminação, exige atenção especial para grupos como idosos, pacientes com baixa imunidade e pacientes com doenças crônicas (diabetes, insuficiência renal, portadores de doenças pulmonares etc.), que registram altas taxas de hospitalização.

Os primeiros sintomas costumam manifestar-se de 24 horas após o contato com o vírus até 4 dias depois e, normalmente, a pessoa tem febre (acima de 38ºC), dor de cabeça, dores nos músculos, calafrios, prostração, tosse seca, dor de garganta, espirros, coriza, garganta seca e rouquidão. Pode também apresentar pele quente e úmida, e olhos avermelhados e lacrimejantes. A febre é o sintoma mais importante, com duração média de 3 dias. Ao baixar a febre, os outros sintomas respiratórios ainda permanecem por 3 a 4 dias. Em crianças, a temperatura pode ficar elevada, sendo comum o aumento dos gânglios atrás do pescoço, quadros de bronquite, além de sintomas gástricos.
 
Há 3 tipos básicos do vírus da gripe: A, B e C. Estes três sofrem mutações genéticas e criam subtipos que podem ser mais ou menos perigosos. O tipo A é o que sofre mais mutações e, por isso, é o maior causador de epidemias de gripe no mundo.

Transmissor- Os vírus do tipo A podem ser encontrados em humanos, suínos, cavalos, mamíferos marinhos e aves; do tipo B ocorrem exclusivamente em humanos; os do tipo C, em humanos e suínos.

Forma de transmissão - O modo mais comum é a transmissão pessoa a pessoa por meio de gotículas expelidas pelo doente ao falar, tossir, espirrar e nas secreções respiratórias que ficam nas mãos (ao assoar o nariz, tampar a boca ao tossir etc.). Também já ocorreram casos de transmissão direta de aves e suínos para o ser humano.

Período de transmissão - A pessoa infectada pode transmitir o vírus de 2 dias antes do início dos sintomas até 5 dias após os mesmos.


Complicações - As complicações são mais comuns em idosos; asmáticos; pessoas com alguma doença pulmonar, insuficiência cardíaca, diabetes e/ou com sistema imune enfraquecido (geralmente, nestes casos, a duração é maior e a doença mais grave); gestantes (a taxa de internação hospitalar é maior até os 3 meses de gestação); pessoas com doença crônica renal ou distúrbios sanguíneos. Entre as complicações mais frequentes está a pneumonia bacteriana. Também podem ocorrer: inflamações musculares, inflamações cardíacas e complicações neurológicas graves. Crianças podem desenvolver inflamação no cérebro (encefalopatia) e problemas no fígado após o uso do ácido acetilsalicílico (AAS).