Vacina contra a Febre Tifoide


Vacina recomendada para pessoas que desempenham atividades de alto risco, com exposição ambiental, trabalham em laboratórios que manipulam a bactéria ou viajam para áreas de alto risco..

A vacina contra a Febre Tifoide é produzida a partir de partes da bactéria morta que causa a doença. Ela é indicada a partir dos 2 anos de idade para pessoas que ficarão expostas à doença em situações ou áreas de risco.

Ela deve ser tomada em dose única e sua proteção é de pelo menos 3 anos. Após este período, é recomendável um reforço caso o risco de infecção continue.

Febre Tifoide


A febre tifoide (ou "doença das mãos sujas") é causada por uma bactéria. Seus sintomas são: febre alta, dor de cabeça, mal-estar geral, falta de apetite, frequência cardíaca baixa, baço aumentado, manchas rosadas no tronco, intestino preso ou diarreia e tosse seca. Pode haver comprometimento do sistema nervoso central. Ela demora entre 1 a 3 semanas para se manifestar, sendo a média de 2 semanas. A febre tifoide tem distribuição mundial e está associada a baixos níveis socioeconômicos, principalmente a precárias condições de saneamento e higiene.

Pessoas com HIV positivo, mas ainda sem os sintomas característicos da doença, podem responder bem ao tratamento com remédio para a febre tifoide. Entretanto, as que estão com AIDS podem apresentar a forma grave da febre tifoide e com tendência a recaídas.

Transmissor - O ser humano doente ou que ainda não desenvolveu os sintomas.

Forma de transmissão - A febre tifoide pode ser transmitida pelo doente ou portador através da manipulação de água e alimentos, ou ainda quando contaminados com fezes ou urina. Os legumes irrigados com água contaminada, produtos do mar mal cozidos ou crus (moluscos e crustáceos), leite e derivados não pasteurizados, produtos congelados e enlatados podem ser fontes de contágio.

Período de transmissão - O contágio se dá desde a primeira semana da doença até o fim da convalescença através das fezes e da urina. Cerca de 10% dos pacientes continuam sendo transmissores por até 3 meses após o início da doença, e mulheres adultas (entre 2 a 5%) transformam-se em portadoras por muito tempo, mesmo após a cura.

Complicações - A principal é a hemorragia intestinal e, mais raramente, perfuração intestinal.

Lembre-se: Antes de automedicar-se, procure seu médico, pois há remédios que mascaram os sintomas e dão margem a um diagnóstico errado. Ele poderá indicar o melhor tratamento para que você recupere sua saúde.